topo
Jornal Eletrônico da ILPF   |
   Ano 09 - Edição 47 - Janeiro de 2018
   Ano 09 - Edição 50 - Abril de 2018 
   Ano 09 - Edição 49 - Março de 2018 
   Ano 09 - Edição 48 - Fevereiro de 2018 
   Ano 08 - Edição 46 - Dezembro de 2017 
   Ano 08 - Edição 45 - Novembro de 2017 
   Ano 08 - Edição 44 - Outubro de 2017 
   Ano 08 - Edição 43 - Setembro de 2017 
   Ano 08 - Edição 42 - Agosto de 2017 
   Ano 08 - Edição 41 - Julho de 2017 
   Ano 08 - Edição 40 - Junho de 2017 
   Ano 08 - Edição 39 - Maio de 2017 
   Ano 08 - Edição 38 - Abril de 2017 
 
 
seta
imagem
Quem já usa: Fazenda Platina - Santa Carmem (MT)

Com pastagens se degradando, o pecuarista Valdemar Antoniolli sentiu a necessidade de tomar uma atitude para melhorar sua produtividade e garantir o lucro na Fazenda Platina, em Santa Carmem (MT). Sem condições de bancar o replantio da forrageira, ele viu na agricultura uma forma de reduzir os custos com a recuperação dos pastos. Foi aí que entrou no que ele considera um caminho sem volta: a integração lavoura-pecuária (ILP).

"Hoje não faríamos mais pecuária sem agricultura e nem agricultura sem pecuária", afirma Antoniolli.

O processo de transição começou há oito anos, aos poucos. Ele buscou auxílio de um consultor técnico e inicialmente destocou 380 ha da fazenda. Corrigiu a acidez do solo e plantou arroz. Após dois anos de lavoura, voltou ao capim. A partir daí passou a plantar soja na safra e milho consorciado com braquiária na safrinha. Após a colheita do milho ficava com a pastagem para o gado.

Aos poucos, com o lucro da agricultura, Valdemar Antoniolli foi expandindo a área de integração lavoura-pecuária e modernizando o maquinário da fazenda. Hoje todos os 2.400 ha que são de áreas produtivas na propriedade rural já estão em integração. Além disso, ele já consegue fazer todas as atividades da fazenda com recursos próprios, sem necessidade de financiamento bancário.

Sistema produtivo

De acordo com o produtor, a estratégia produtiva da fazenda é de no período da chuva ter 40% da propriedade com lavoura, enquanto 60% se mantém na pecuária. Na seca, os animais entram em 100% dos talhões. Além disso, é feita uma rotação de forma que um pasto fica no máximo quatro anos com forrageira antes de retornar à agricultura.

Hoje, no entanto, a Fazenda Platina não faz mais safrinha de milho. A pastagem é semeada logo após a colheita da soja, ganhando mais tempo para a pecuária.

"Nossa safrinha é carne, é proteína. Com a safrinha de milho, além de deixarmos de usar os pastos de braquiária já no mês de abril, não compensa porque muitos vizinhos plantam milho. Fica fácil para a gente comprar e, pelo pouco milho que usamos, não é economicamente viável", explica Valdemar Antoniolli.

Atualmente a Fazenda Platina faz cria, recria e engorda. Está terminando de montar uma estrutura para também fazer o acabamento dos animais.

Benefícios

Desde que começou a fazer a integração lavoura-pecuária, a Fazenda Platina passou de um rebanho de 1.700 cabeças para 4.500 cabeças. Isso mesmo com a utilização em lavoura de parte da área antes destinada à pecuária. O tempo médio de abate dos animais também foi reduzido em quase um ano.

Na agricultura, a soja teve um aumento de produtividade de 5 a 7 sacas. Além disso, outros benefícios foram notados, como maior acúmulo de matéria orgânica no solo, ciclagem de nutrientes, melhor cobertura do solo, manutenção da umidade do solo reduzindo o estresse das plantas em ve

ranicos, menor incidência de plantas daninhas, além da diversificação da renda.

"O grande negócio da integração é que você tem faturamento mensal o ano inteiro. O que acontece é que um lavoureiro não gosta de gado e o pecuarista não gosta de lavoura. É difícil de aceitar essa integração. Mas eu diria que todos que são produtores, deveriam, de uma maneira ou outra, se encaixar, para o bem deles. Porque todo mundo gosta de resultado econômico", aconselha Antoniolli.

 

Árvore

O próximo passo da Fazenda Platina é dar acesso á sombra aos animais, gerando maior conforto térmico. Para isso, serão plantadas árvores paralelas às cercas da propriedade.

Sobre a utilização das árvores dentro dos sistemas de integração, formando um sistema agrossilvipastoril, o produtor ainda tem ressalvas. Ele que também é empresário do setor madeireiro acredita que, no momento, o mercado para a madeira de reflorestamento ainda é incerto. De acordo com a percepção dele, devido à distância de mercados consumidores, atualmente somente a teca seria economicamente viável. Outras madeiras, afirma, seriam apenas para suprir a demanda da própria fazenda, com mourões e secador de grãos.

 

  Comentários  
 
Nome Completo
E-mail
Comentário
OBS.: Os comentários são previamente analisados antes de sua publicação.
 
 
 
 
  Espaço do leitor
imagem de envelope

Entre em contato com a equipe que produz o jornal eletrônico do Projeto TT ILPF. Sugira reportagens, temas para serem abordados nos artigos, eventos, enfim, emita seu ponto de vista sobre o jornal. Você tem duas maneiras de interagir conosco:

por e-mail: agrossilvipastoril.nco@embrapa.br ou
por telefone: (66) 3211-4227

  Cadastro
 

Para se cadastrar e receber nosso informativo via e-mail, clique aqui.

Confira mais informações sobre a ILPF em www.ilpf.com.br

Caso queira, a qualquer momento, cancelar o recebimento do informativo, clique aqui ou envie uma mensagem para agrossilvipastoril.nco@embrapa.br solicitando a retirada de seu nome da lista de leitores.

  Expediente
 

Esta é uma publicação do Projeto Transferência de Tecnologia em Integração Lavoura-Pecuária-Floresta.

Coordenador-geral: Lourival Vilela

Editor: José Heitor Vasconcellos

Jornalista responsável: Gabriel Faria (mtb 15.624/MG JP)

Programador Visual: Alexandre Esteves Neves

Desenvolvedor: Luiz Fernando Severnini

Colaboradores: Jornalistas das Unidades da Embrapa que participam do Projeto TT ILPF e de entidades parceiras

Fotos: Arquivo Embrapa

logo da Embrapa